Os municípios de Arapongas, com o projeto Lixo Zero; Maringá, com o Complexo Cooperativo de Trabalhadores do Setor de Materiais Recicláveis; e São Miguel do Iguaçu, com o Projeto Cidadania, foram os três primeiros colocados do prêmio Homero Oguido, criado pelo governo do Paraná para estimular experiências municipais inovadoras voltadas à erradicação do analfabetismo, à inclusão social e à geração de empregos e renda.

O prêmio foi entregue pelo governador Roberto Requião e pelo secretário do Desenvolvimento Urbano, Renato Adur, na noite de terça-feira em solenidade realizada no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba. Além das três experiências, também foram escolhidas mais sete relevantes. As dez estão automaticamente classificadas para concorrer ao Prêmio Prefeito Empreendedor Mário Covas, do Sebrae nacional.

O secretário Renato Adur destacou que, com a iniciativa, a Sedu procurou premiar a seriedade do administrador municipal. “Foram escolhidas as experiências nas quais mais se usou a criatividade, a ousadia e a firmeza na busca de resultados e objetivos, que são as pessoas”. Adur acrescentou que a intenção é disseminar as experiências por todo o Paraná e até mesmo pelo Brasil.

“O governo tem a humildade de reconhecer essas experiências e levá-las aos demais”, afirmou. O secretário agradeceu a união em torno do prêmio, que envolveu, além da Sedu, a Associação dos Municípios do Paraná (AMP), o Sebrae/PR, as associações regionais de municípios e as demais secretarias estaduais. Adur agradeceu também o apoio da Assembléia Legislativa e de todos os prefeitos paranaenses.

Já o presidente da Associação dos Municípios do Paraná, Joarez Lima Henrichs, afirmou que “o prêmio proporciona modernidade e ousadia às prefeituras, sendo um reconhecimento dos prefeitos e da classe política”. E o diretor-superintendente do Sebrae/PR, Hélio Cadore, afirmou que os que se inscreveram ao prêmio “são líderes públicos que sabem vencer as dificuldades e fazer acontecer”.

Os premiados

O prefeito de Arapongas, José Aparecido Biscaia, que recebeu um troféu, um diploma e R$ 50 mil pela conquista do primeiro lugar, disse que a experiência de seu município (“Gestão integrada e compartilhada de resíduos urbanos”) é importante para melhorar a gestão ambiental e para resgatar a dignidade das pessoas que trabalham no lixão.

“Com a constituição de uma cooperativa, essas pessoas passaram a trabalhar numa usina de reciclagem e nós passamos a organizar a produção e dar uma vida melhor às pessoas”, acrescentou. A experiência desenvolvida em Arapongas compreendeu a ativação de uma usina de macro triagem e compostagem, a inserção dos ex-catadores de lixo numa cooperativa e a organização de uma associação dos catadores carrinheiros de rua.

O município de Maringá, segundo colocado, recebeu R$ 30 mil, inscreveu o projeto de inclusão social “Complexo Cooperativo dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis”. A experiência foi realizada em três etapas: 1 ? fechamento do lixão e retirada dos catadores de materiais recicláveis de Maringá, Sarandi e Paiçandu; 2 ? organização dos catadores e formação de cooperativas de materiais recicláveis; 3 ? organização de uma central de transformação e industrialização dos produtos coletados pelas cooperativas. Na solenidade de premiação, o prefeito João Ivo Caleffi foi representando pelo secretário do Meio Ambiente e Agricultura, José Eudes Januário.

A terceira colocação coube ao município de São Miguel do Iguaçu, que recebeu R$ 20 mil pelo Projeto Cidadania, que consiste na criação de uma série de programas de capacitação e treinamento de crianças e adolescentes, de 7 a 20 anos, nas áreas de cultura e de esporte. Para o prefeito Armando Polita, trata-se de “um trabalho importante porque visa a inclusão social e o resgate da cidadania por meio da cultura e do esporte”. Perto de duas mil crianças e adolescentes já foram beneficiados.

Também foram premiadas experiências inscritas por outras sete prefeituras: Iretama ? “Assentamentos Rurais e Reforma Agrária”; Apucarana ? “Células comunitárias”; Pitangueiras ? “Plano de Desenvolvimento Agrícola”; Capanema ? “Projeto Água Boa”; Cascavel ? “Pólo do Vestuário”; Antonina ? “Produção de juvenis de robalos em larga escala”; e Campo Mourão ? “Qualificação profissional e geração de renda”.

Ao todo, o prêmio Homero Oguido teve 262 projetos inscritos por 153 prefeituras. Na primeira fase, foram pré-selecionadas 58 experiências que concorreram à fase final.