Os argentinos estão insatisfeitos com os tratamentos médicos aplicados ao ex-astro do futebol, Diego Armando Maradona.

Isso é o que indica uma pesquisa realizada pelo site do jornal econômico Infobae, que sustenta que somente 20,5% dos internautas concordam com o tratamento médico e psiquiátrico. No entanto, a imensa maioria, 79,5%, abomina o tratamento..

Nos últimos dias, até o Ministro da Saúde, Ginés González García criticou o tratamento, definindo-o como "um horror". O médico pessoal de Maradona, o controvertido Alfredo Cahe – que atende o decadente ídolo há 30 anos – retrucou: "então que o ministro vá cuidar de Diego!".

No final de semana, o jornal dominical "Perfil" publicou declarações de Cahe que indicam que existem graves riscos para a saúde do ex-jogador. Segundo ele, Maradona estaria à beira de uma pancreatite. Cahe explicou que "o problema é que da hepatite tóxica à pancreatite é um passo".

O comentário do médico aumentou as especulações sobre o estado de saúde real do Maradona, internado às pressas na sexta-feira na clínica Los Arcos no bairro portenho de Palermo. Desde aquele dia, os comunicados médicos sobre o ex-jogador foram lacônicos e ambíguos.

De forma simultânea, cresceram os rumores de que o ex-astro estaria com a saúde gravemente abalada e de que os médicos do hospital especulavam sobre a necessidade de um transplante hepático.

Para complicar, o último comunicado médico da clínica Los Arcos afirmava que o estado de Maradona era "estável". Mas, uma linha abaixo indicava que os resultados dos exames hepáticos "não estão dentro dos parâmetros normais". O próximo comunicado será emitido nesta segunda-feira.

"Da mesma forma que ele joga futebol com toda a garra, quando come, o faz com voracidade. A mesma coisa aconteceu com a droga, e agora é com o álcool. É uma personalidade compulsiva", declarou à imprensa o ex-empresário de Maradona, Guillermo Coppola.

Coppola é acusado por parentes do ex-jogador e analistas esportivos como o homem que estimulou Maradona à uma vida de gandaia. O ex-empresário também quase levou Diego à ruína financeira.

Afastado do ex-astro desde poucos meses antes da overdose de cocaína de abril de 2004, neste fim de semana, Coppola definiu seu ex-amigo como "incontrolável".