Com revólver em punho, um assaltante usou os trilhos e o túnel da Estação Trianon do metrô de São Paulo para fugir da polícia, às 13h27 de hoje (3), após roubar um rapaz na saída de um banco. A energia foi cortada em toda a Linha Verde (Vila Madalena-Ana Rosa). Os trens ficaram 12 minutos sem circular. Segundo o Sindicato dos Metroviários, o atraso prejudicou 10 mil passageiros. Até o início da noite, o ladrão não tinha sido capturado. Três parceiros dele foram presos dentro de um vagão.

Eram 13h25 quando o auxiliar administrativo, da Transline Turismo, saía da agência do Bradesco na Avenida Paulista, perto da Trianon. O rapaz havia sacado R$ 679,00. Ele foi cercado pelo assaltante armado e seus cúmplices – Vinícius Galdino Carvalho, de 19 anos, Tiago Silva Ferreira do Nascimento de 18, e M.R.P.J., de 15. Policiais militares do 7º Batalhão faziam o patrulhamento na região e foram informados sobre o roubo.

Os criminosos viram os PMs e desceram as escadas do metrô. Na plataforma, Carvalho, Nascimento e o adolescente se misturaram aos passageiros e entraram no trem. Os PMs, porém, reconheceram os três. Ele foram dominados antes do fechamento das portas.

O assaltante armado pulou nos trilhos, acessou a passarela de emergência, entrou no túnel e desapareceu. Para garantir a segurança dos passageiros e evitar que o bandido fosse eletrocutado, o metrô cortou a energia na Linha Verde.

Segundo o Metrô, os trens não circularam das 13h27 até 13h39, "sem prejuízos aos passageiros por ser horário de pouco movimento". Já o diretor de Comunicação do sindicato, Manuel Xavier Lemos Filho, disse que a parada afetou 10 mil pessoas, até os da Linha Azul (Tucuruvi-Jabaquara), que faz integração com a Verde.

Ele disse que o metrô virou rota de fuga por causa da falta de seguranças. "O ideal seria aumentar o número em 40%." A vítima reconheceu os presos e recuperou os documentos e o dinheiro.