As lideranças das regiões atingidas pela estiagem no sul do País iniciam, nesta quinta-feira (22), uma marcha em direção a três pontes entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O ato público é em defesa da liberação de mais recursos emergenciais pelo governo federal.

Segundo o coordenador da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar na Região Sul, Dirceu Dresch, os produtores ficaram insatisfeitos com o anúncio de R$ 187 milhões do governo federal para cerca de 180 mil famílias dos três estados do Sul e Mato Grosso do Sul. Ele lembrou que os agricultores queriam um desconto de R$ 1 mil no Pronaf-custeio e o governo ofereceu R$ 500. Outra reivindicação era de crédito de emergência de um salário mínimo (R$ 240) durante seis meses e o governo ofereceu um total de R$ 300.

Os manifestantes vão sair de três cidades gaúchas (Erechim, Nonoai e Frederico Westphalen) e três catarinenses (Concórdia, Chapecó e Palmitos) em direção às pontes das BRs 153 e 386 e da rodovia estadual SC-480. Em Chapecó, a concentração será às 10h, na Praça Coronel Bertaso. O percurso é de 22 quilômetros. Os agricultores gaúchos e catarinenses pretendem acampar próximo às pontes na sexta-feira (23). Para Dresch o bloqueio do local não está descartado. Segundo ele, tudo vai depender das negociações com o governo federal.