Noventa e oito atletas brasileiros embarcam hoje para Atenas, na Grécia, para participar das Paraolimpíadas. Essa é a maior delegação brasileira da história e os atletas vão disputar 13 das 19 modalidades da competição.

?Felizmente, tivemos uma preparação muito boa. Temos tudo para voltar com a medalha de ouro?, afirma Mizael Conrado, pivô da seleção de futebol de salão para deficientes visuais, o chamado futebol de 5. Com exceção dos dois goleiros, os outros jogadores são deficientes visuais. Segundo Conrado, Espanha e Argentina são as seleções que podem dar “mais dor-de-cabeça” para o Brasil.

Para o ciclista Rivaldo Martins, não há favoritismo na competição. ?Dos 40 que largam na minha categoria, entre oito e doze atletas estão em igualdade de competir?. Rivaldo é triatleta e perdeu a perna esquerda na altura do joelho num acidente de ônibus em 1986.

O Brasil participará das Paraolimpíadas nas modalidades: basquetebol de cadeira de rodas, esgrima, futebol para paralisados cerebrais, halterofilismo, natação, tênis em cadeira de rodas, tênis de mesa, atletismo, hipismo, goallball e judô.

Em Sidney, no ano 2000, a delegação brasileira teve sua melhor campanha e ganhou 22 medalhas. A expectativa do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) é que o país termine a competição entre as 20 potências esportivas do mundo. Mais de 4 mil atletas de 43 nacionalidades vão participar dos jogos em Atenas, entre os dias 11 e 29 de setembro.