A espera valeu a pena. Um ano e meio depois do último Atletiba (as equipes principais não jogaram no ano passado, com exceção da Copa 100 anos, ambos com equipes mistas) o maior clássico do futebol paranaense voltou a ser disputado, com toda sua pompa e glória.

A partida, disputada no estádio Joaquim Américo, foi digna da história que envolve esse clássico. Bolas na trave, viradas de marcador, entre outras coisas, temperaram a disputa. O Atlético, formado com jogadores experientes, encarou um Coritiba formado pelos seus pratas-da-casa. O duelo entre experiência x juventude acabou gerando um jogo equilibrado e o empate por 2 a 2 acabou sendo o justo 

O Atlético, empurrado pela sua torcida, começou pressionando. Logo com dois minutos, Michel fez uma boa jogada indvidual e chutou forte, para a boa defesa do goleiro Marcelo Bonan. Três minutos depois, o Coritiba respondeu com Edmílson, num chute de longa distância em que Cléber somente acompanhou a saída da bola pela linha de fundo.

O rubro-negro voltou a incomodar a defesa alviverde com Ferreira. O colombiano recebeu um cruzamento na medida para uma sensacional defesa de Marcelo Bonan.

Mas quem marcou primeiro foi o Coxa. Após o escanteio batido por Marlos, Marcão derrubou um jogador do alviverde e Héber Roberto Lopes assinalou a penalidade. Edmílison bateu bem, deslocabndo Cléber para o lado oposto, e fez 1 a 0.

Com desvantagem no marcador, o rubro-negro foi pra cima e aos 23 minutos Marcelo Silva, com o gol aberto, chutou pra longe a chance de empatar a disputa.

O Coritiba, errôneamente, recuou o jogo tratou de se defender. O Atlético começou a realizar uma blitz na área alviverde, mas o Coxa soube segurar o ataque rubro-negro e conseguiu manter a vantagem para a segunda etapa.

Vira-vira e empate

O Atlético partiu para o tudo ou nada no segundo tempo. Todavia, o Coritiba voltou bem do intervalo e marcava o meio e o ataque atleticano, que tinha suas principais jogadas anuladas pelo paredão verde.

Mas, num vacilo da zaga do Coxa, o Atlético empatou. Após saída errada, o Atlético conseguiu um escanteio. Evandro, que havia acabado de entrar no lugar de Cristian, cobrou e Marcão apareceu, livre de marcação, para mandar para as redes de Marcelo Bonan, que nada pôde fazer.

Dois minutos depois, a virada. Em ótima jogada de Denis Marques, o atacante deu um ótimo toque para Ferreira, o colombiano dominou e tocou no canto direito de Bonan.

A vantagem rubro-negra durou pouco tempo. Aos 30 minutos, Pedro Ken fez ótima jogada pela direita e cruzou na cabeça de Daniel, que só teve o trabalho de cabecear para o fundo do barbante de Cléber. O jogo seguiu de forma eletrizante, com boas oportunidades para os dois lados. Mas a partida acabou mesmo empatada em 2 a 2.