A Fiat produziu apenas duas unidades do S76, bólido que em 1911 cravou o recorde de o carro mais veloz da época em Saltburn Sands (deserto de sal, na Inglaterra). O veículo, pilotado pelo italiano Pietro Bordino, atingiu 217 km/h.

Depois do feito, um dos S76 foi desmontado, já que a Fiat temia que rivais pudessem obter segredos de fábrica. O que foi preservado ficou ‘escondido’ nas mãos de particulares, até que em 2003 o entusiasta inglês Duncan Pittaway, atual dono do modelo, começou a restaurá-lo. Agora, 100 anos depois, a relíquia voltará a correr.

Será a grande atração do tradicional Festival de Goodwood, na Inglaterra, que acontece de 26 a 29 de junho. O que mais chama a atenção no carro é seu gigantesco motor de 28,5 litros, com apenas quatro cilindros. Na época do recorde, a revista The Autocar Magazine narrou assim o desempenho do Fiat:

“O terrível barulho que o S76 produzia ao passar chamava a atenção das pessoas, que ao olharem tinham seus chapéus arrancados e seus cabelos chamuscados por três metros de chama que emanavam dos escapamentos laterais dispostos ao lado do capô”.