O atual campeão brasileiro da categoria Turismo 1600, Christiano Bornemann (foto) (WD-40/ Embretech/ Mundial Prime/Maxi Cabos/NSO), indignado com a organização da segunda etapa do Brasileiro de Velocidade na Terra, promete abandonar o campeonato, caso a Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) homologue o resultado da etapa.

O evento foi realizado no fim de semana passado (6 e 7/6), em Tangará da Serra, no Mato Grosso. Segundo Chris Bornemann, foi uma desorganização total.

Na sexta-feira (5/6), era para ser realizado um treino livre, às 13 horas, segundo o programa da prova, onde os pilotos de fora acertariam os carros e conheceriam o traçado da pista.

Mas isso não aconteceu, pois o Diretor de Prova e Comissários Desportivos chegaram ao autódromo somente as 15h30. Foi proibido o uso de rádio de comunicação Box/piloto.

A categoria Turismo 1600, contou apenas com dois carros, que foram obrigados a correr juntos com a categoria Fórmula Tubular, só que no fim do grid. “Para se ter uma idéia, não havia nenhum representante da Federação Paranaense lá no Mato Grosso. Nós argumentávamos com o Diretor de Prova sobre os riscos de correr junto com outra categoria e ele nos respondia: “Se não quiser não corra. Ninguém está te obrigando a participar”.

Uma total falta de respeito aos pilotos, que no meu caso por exemplo, desloquei minha equipe toda, por mais de 4.000 quilômetros (ida e volta), para ser tratado desse jeito. Esta semana estarei encaminhando uma carta à CBA e se eles não concertarem essa bagunça, eu abandono o campeonato”, desabafou Chris Bornemann.