A Divesa Caminhões, com experiência de mais de 35 anos no mercado curitibano, estará promovendo neste fim de semana (16 e 17/8), um megafeirão de caminhões em sua matriz no Trevo do Atuba. São mais de cem veículos 2003 “zero” km, de diversos modelos e cores, que estarão disponíveis para pronta entrega.

“O objetivo é reunir o maior estoque possível, para facilitar a escolha do cliente, permitindo o esclarecimento de qualquer dúvida em relação às características técnicas. Teremos também caminhões para “test-drive”, mediante agendamento, o que possibilitará a familiarização do motorista com os modelos disponíveis. Fechamos boas parcerias com Bancos, para proporcionar as melhores taxas de financiamento”, declarou Alexandre Frare, diretor da Divesa Caminhões.

O departamento de veículos usados estará de plantão, não só para a venda, mas também para avaliar caminhões que poderão ser dados no negócio e de acordo com o gerente de vendas Santana, com os melhores preços do mercado. “Nossos veículos seminovos são totalmente revisados, prontos para qualquer teste. Tanto, que ganham a garantia da Divesa. Mas podemos avaliar veículos usados e certamente chegaremos a um bom preço”, disse Santana.

Pós-venda

A filial da Divesa Caminhões de São José dos Pinhais, acaba de receber da Mercedes-Benz, o prêmio de “Pós-Venda”, com o primeiro lugar no Brasil, eleita a revenda com o maior índice de satisfação do cliente. “Isso se dá, devido ao nível técnico de nossos funcionários. Possuímos um centro de treinamentos homologado pela M-Benz, que proporciona cursos até para funcionários de outras revendas”, argumentou Cerineu Martelli, gerente de Pós-Venda.

A Divesa Caminhões tem atendimento 24 horas para veículos “zero” quilômetro, agendamento de serviços, retífica de motores própria e amplo estoque de peças, considerado um dos maiores da região Sul do Brasil. “Além disso, fazemos parceria com frotistas, terceirizando a sua mão-de-obra. Proporcionamos com isso, a redução dos custos com manutenção e diminuindo o tempo de caminhão parado, o que certamente gera lucros para as empresas”, concluiu Martelli. (BN)