Apresentados no último Salão do Automóvel de São Paulo, o J3 hatch e o sedan J3 Turin farão suas estréias no mercado brasileiro a partir de amanhã, quando serão abertas em conjunto mais de 50 concessionárias da JAC Motors do Brasil, nas principais cidades do País. Em Curitiba na Avenida General Mario Tourinho.

Essa ambiciosa e ousada operação é fruto do trabalho de Sérgio Habib, um dos mais experientes executivos do setor automobilístico. Dono de uma rede de concessionárias que vendeu cerca de 50 mil carros novos em 2010 e ex-presidente e representante da Citroën, o empresário deixou de lado seu foco nos carros “Premium” para se dedicar ao que ele chama de “nova classe média”.

Para cativar a classe média emergente, o primeiro JAC a ser vendido no Brasil é o J3, disponível nas carrocerias hatch e sedã (esta chamada Turin). Os preços: R$ 37.900 e R$ 39.900, respectivamente.

Não há versões nem opcionais. E o único extra é o revestimento em couro dos bancos, que será oferecido por algumas das 50 concessionárias JAC que abrem ao público simultaneamente na próxima sexta-feira (18).

Os dois modelos do J3 vão competir com uma variedade de compactos fabricados no Brasil ou Mercosul, todos com motor de 1,4 litro ou mais, e sempre nas versões mais equipadas.

Entre eles, os VW Gol, Voyage e Fox; os Fiat Palio e Siena; o Ford Fiesta; os Chevrolet Agile e Corsa; Peugeot 207 e 207 Passion; Citroën C3; e os Renault Sandero, Logan e Symbol. Todos, incluindo os chineses, com acabamentos acima dos chamados “carros de entrada”.

Mas o trunfo do J3 é trazer de série o que a maior parte dos concorrentes só oferece como opcionais cobrados à parte. O modelo sai da fábrica dotado de ar-condicionado, direção hidráulica com ajuste de altura, vidros elétricos nas quatro portas, “airbag” duplo dianteiro, freios com ABS (antitravamento) e EBD (distribuição de força), abertura interna do porta-malas, sensor de estacionamento traseiro, luzes de neblina e sistema de som com seis alto-falantes, entre outros itens menos votados. O motor é um 1.4 com 108 cv a 6.000 rpm, potência mais típica de propulsores 1,6 litro. O torque, porém, é de 1.4 mesmo: 14,1 kgfm a 4.500 rpm.

E tem mais: garantia total de seis anos “de pára-choque a pára-choque”, desde que todas as revisões (10.000 km) e trocas de óleo (5.000 km) sejam feitas em concessionárias (de acordo com a JAC, a preços menores do que toda a concorrência); e um seguro abaixo de R$ 1.000.

O objetivo da JAC Motors do Brasil é se destacar nos segmentos que se encaixam na faixa de preços entre R$ 30 mil e R$ 40 mil. Habib lembra que “esse é o coração do mercado brasileiro de veículos, que representa 54% do total das vendas”.