Atualmente o Logan é o segundo modelo mais vendido da Renault no País. Perde apenas para o “hatch” Sandero, feito sobre a mesma plataforma B0, emprestada da marca romena Dacia, integrante do grupo Renault-Nissan. A estrutura também é usada pela minivan Nissan Livina nacional.

O compacto sedã da Renault foi lançado em junho de 2007. Enquanto novidade, emplacou.

O Logan 2011 chega às concessionárias com o visual ligeiramente renovado e sem alterações mecânicas.

Faróis e lanternas ganharam novas seções de luz, mas os formatos foram mantidos – ainda assim os conjuntos ópticos estão mais modernos.

Na frente, o que mais chama a atenção é a nova grade, formada por quatro barras verticais e sensivelmente mais encorpada em relação à peça anterior. Nas laterais, um friso e as maçanetas na cor da carroceria são as novidades.

Redesenhada pelos estilistas da Renault, a tampa do porta-malas ganhou um vinco na dobra superior que simula um aerofólio.

E os pára-choques ganharam novos desenhos. Internamente, a Renault melhorou o acabamento. O console central ganhou nova pintura prata, há novos tecidos e os instrumentos têm novos grafismos. Visualmente, o sedã ficou mais sedutor, mesmo que o modelo não seja uma referência em beleza.

Primeiras Impressões

Em curto “test-drive” realizado na Praia do Forte, na Bahia, o Jornal do Automóvel rodou na versão Expression (1.0 16V Hi-Flex).

No circuito avaliado, composto basicamente por uma rodovia de poucas curvas, foi possível avaliar o desempenho do Logan 1.0 16V.

Esqueça as arrancadas e retomadas instigantes. Ainda que se afunde o pé direito sobre o pedal do acelerador, não haverá grandes emoções. Os giros demoram a subir, pois seu motor produz 76/77 cv (G/A) e 9,9/10,1 kgfm de torque a elevados 4.350 rpm.

De acordo com a Renault, de 0 a 100 km/h o Logan 2011 leva 14,2 segundos com álcool. Em compensação, o conforto a bordo do modelo com o propulsor 1.0 é bom.

Em comparação com o modelo anterior, o Logan 2011 ficou mais silencioso, pois ganhou várias melhorias no isolamento acústico do habitáculo e em componentes específicos, atendendo aos pedidos dos clientes nas pesquisas realizadas pela montadora francesa.

E a suspensão que é desenvolvida especificamente para rodar no Brasil é bem calibrada, filtrando a vibração de buracos e desníveis do asfalto, sem comprometer a estabilidade e o conforto dos ocupantes de veículo.

“O Logan é o carro da virada”, como disse Christian Pouillaude, vice-presidente Comercial da Renault do Brasil, em seu discurso de apresentação do carro na Bahia. (BN)

Ficha técnica

Motor: Dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 16 válvulas, comando duplo (DOHC), injeção eletrônica, gasolina e álcool
Cilindrada: 998 cm³
Potência: 76 cv (G) e 77 cv (A), a 5.850 rpm
Torque: (kgfm) 9,9 (G) e 10,1 (A), ambos a 4.350 rpm
Compressão: 10,0:1
Câmbio: Mecânico, de 5 marchas
Compr.: 4,29 m
Largura: 1,74 m
Altura: 1,53 m
Entre-eixo: 2,63 m
Porta-malas: 510 litros
Suspensão: Independente do tipo McPherson, com braços triangulares inferiores, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora na dianteira, e semi- independente com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos verticais e barra estabilizadora na traseira.
Freios: Discos ventilados, na dianteira, e tambores atrás.
Tanque: 50 litros
Aceleração: de 0 (zero) a 100 km/h 14,2 s (A)
Preço sugerido: R$ 28.690,00