A partir deste mês o Corinthians Paulista passa a estampar na camisa o logotipo da Hyundai. É mais um caso de marca automotiva que entra em campo para patrocinar clubes de futebol. Recentemente, o arquirrival Palmeiras fechou contrato com a Kia em substituição a outra montadora, a Fiat. No Paraná, a Renault ocupou espaço na camisa do Malutron na virada do milênio, clube que depois virou J. Malucelli e hoje é Corinthians Paranaense. Essa relação com a paixão do brasileiro é antiga. Quem não se lembra da dupla Grenal carregando os nomes Corsa e Astra, da Chevrolet, ou Fiat Stilo e Doblò por Atlético-MG e Cruzeiro.

Mas a participação das marcas não se restringe apenas aos uniformes. Muitas competições levam o nome de fabricantes. A própria Chevrolet, por exemplo, se firmou como naming rights (direito sobre a propriedade de nome) dos campeonatos paulista, goiano e paranaense. Oficialmente, a disputa em São Paulo se chama Paulistão Chevrolet 2012, no entanto, o desafio das empresas é fazer com que as emissoras de rádio e televisão se comprometam a usar a identificação completa do evento, por aqui isso não ocorre.

Para driblar essa situação, as marcas aplicam seus logos em placas nos estádios, nos painéis de entrevistas que ficam atrás dos jogadores e técnicos, nos ingressos e nos materiais promocionais pré-jogo. Além disso, carros são levados e ficam estacionados dentro do campo, geralmente em uma região próxima do goleiro.

A Toyota é outra que busca alcançar o cliente através da paixão pelo futebol. Há 14 anos está ligada à Copa Libertadores da América e ao Mundial Interclubes, no Japão.

Já a Volkswagen é a patrocinadora da Seleção até a Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Um fator que contribuiu para a parceria é o fato de o nome do carro mais vendido da VW no país, o Gol, fazer alusão direta ao futebol. Na Alemanha, é dona do Wolfsburg.

A VW também acaba de fechar contrato com o jogador Neymar, 20 anos, do Santos. Pelo acordo, que vai até 2016, o novo garoto-propaganda da marca participará de uma série de campanhas publicitárias, de eventos e usará modelos da Volks no seu dia a dia.

Em campo

As fabricantes automotivas geralmente são as principais patrocinadoras dos clubes.

Chevrolet

Nos fins dos anos 90, Grêmio e Internacional, do Rio Grande do Sul, adotaram a marca da GM em suas camisas, citando os veículos Corsa, Astra, Vectra, S10, Celta e o Banco GM. Desde 2010, ela patrocina o Cerâmica Atlético Clube, time de Gravataí, cidade na qual a GM fabrica o Celta e o Prisma.

Arquivo

Fiat

O mesmo expediente da Chevrolet no Rio Grande do Sul foi adotado pela Fiat em Minas Gerais. A montadora patrocinou Cruzeiro e Atlético-MG, estampando os nomes de alguns modelos da marca. Também teve uma longa parceria com o Palmeiras, até encerrá-la no ano
passado, além de Goiás, Ipatinga (MG), Bahia e Vitória.

Kia

A empresa sul-coreana substituiu a italiana Fiat no Palmeiras. O acordo envolve inicialmente R$ 74 milhões até janeiro de 2015. Curiosamente, a outra sul-coreana Hyundai estará na camisa do rival Corinthians. Porém, no país asiático, as duas marcas fazem parte do mesmo conglomerado automotivo.

Renault

Arquivo

À época que ainda se chamava Malutro,n, o time de São José dos Pinhais tinha boa parte dos recursos financeiros oriunda do patrocínio com a Renault, que tem sua fábrica instalada na Grande Curitiba.

Hyundai

Por 150 milhões em três anos de contrato, a Hyundai passará a ser o patrocinador master do Corinthians. O logotipo ocupará a partir deste mês o lugar da Hypermarcas, detentora da marca de preservativos Jontex, que investiu R$ 80 milhões do time alvinegro em dois anos.