Econômica e ágil, street da marca japonesa é uma alternativa ao transporte público. O modelo conta com motor injetado e custa R$ 6.829,00

Não é segredo para o motociclista brasileiro o fato de que quase 90% do mercado de motos no Brasil é composto pelos modelos de até 150 cilindradas. Além de mais acessíveis, as motos street de baixa cilindrada atendem às necessidades do motociclista que precisa de um veículo ágil, prático e econômico. Dados da Abraciclo (associação que reúne os fabricantes de motocicletas) mostram que 40% dos proprietários de uma moto, a utilizam como alternativa ao transporte público. E é exatamente esse perfil de motociclista que a Suzuki deseja “abocanhar” com a GSR150i.

Para tanto, a marca japonesa inovou e resolveu oferecer a GSR150i ao consumidor primeiramente por meio do Consórcio Nacional Suzuki. Com parcelas de R$ 123,03/mês (em planos de 72 vezes), a marca busca atrair o passageiro do ônibus, trem ou metrô que usa, no mínimo, duas conduções diárias, ou gasta R$ 120 todo mês (em São Paulo). Isso sem falar na economia de tempo, que no caso da capital paulista chega a triplicar em relação ao transporte público.

Fabricada na China e montada no Polo Industrial de Manaus (PIM) pela JToledo Suzuki Motos, a GSR150i chegou com novo motor de 150 cm³ e alguns detalhes que fazem desta “Suzukinha” uma opção também para os fins de semana. Suspensão traseira com reservatório a gás, suporte do bagageiro em alumínio e tampa do cabeçote cromada são alguns detalhes que elevam o status do modelo.

Novo motor

A principal novidade da GSR150i não é o aumento da cilindrada – obtido por intermédio do prolongamento do curso do pistão em 9,8 mm -, mas sim da adoção da injeção eletrônica de combustível, que melhora sua dirigibilidade e a partida a frio do pequeno monocilíndrico. Com essa eletrônica embarcada, a GSR150i ficou com uma aceleração mais linear e com certeza mais econômica. Seu consumo na cidade chegou a registrar média 38 km/litro. O propulsor oferece potência máxima de 12 cv a 8.000 rpm e torque máximo de 1,08 kgf.m a 6.000, números que permanecem iguais aos da Yes, de 125cc, lançada em 2004.

Único entre as streets com câmbio de seis velocidades, esse propulsor exige uma troca de marchas constantes na cidade para que o piloto trabalhe sempre na faixa útil do motor. De semáforo a semáforo, a GSR150i estará em quarta marcha e basta uma curva a esquerda para que a segunda seja requisitada ou até mesmo a primeira. Todavia, ao entrar na estrada e engatar a sexta marcha, a moto roda com mais tranquilidade. Com relações mais longas, o novo motor pode rodar na mesma velocidade “girando” menos, deixando-a mais econômica.

Outra característica que faz da GSR150i uma opção interessante para o dia a dia é seu sistema de eixo balanceador do motor. Com ele, a vibração e o ruído diminuem, resultando em maior conforto nas viagens longas e poupando os braços na rotina do trabalhador que chega a rodar 50 quilômetros todos os dias.

O painel de instrumentos é totalmente novo e traz display em LCD que indica hodômetro total e parcial, além de indicador de marcha, permitindo fácil leitura ao piloto. A luz indicadora de falha no sistema de injeção de combustível também foi integrada ao painel. Outro ponto que merece destaque é o banco em dois níveis, muito confortável para piloto e garupa.