A dupla londrinense José Ramos/Maicon Tumiate (Paranamotor) venceu no sábado (13/12), a 17.ª edição das “500 Milhas de Londrina”, tradicional prova do automobilismo paranaense, realizada no autódromo Ayrton Senna, no Norte do Estado.

Organizada pelo Automóvel Clube do Café e com supervisão da Federação Paranaense de Automobilismo (FPrA), a prova reuniu 40 carros, superando as “Mil Milhas Brasileiras” (23 carros) e as “12 Horas de Tarumã” (29 carros) em número de pilotos e carros participantes.

Tassi, Lopes e Marchini ficaram em 9.º na Geral e venceram no Paranaense.

José Roberto Hofig Ramos e Maicom Tumiate (Paranamotor) completaram as 263 voltas das “500 Milhas de Londrina” no tempo de 6h16min42s861, seguidos de Márcio Lima/César Bonilha/Beto Borghesi, a quatro voltas, Edson Machado/Paulo Machado, a 18 voltas, Armin Kliewer/Marco Garcia/Odair Costa, a 18 voltas, Diego Pardo/Flávio Trindade/Beto Richa, a 31 voltas, e em sexto lugar, Márcio Ymagava/Marco Della Rosa, a 34 voltas.

A volta mais rápida da prova foi de Beto Cazuni/Celso Zocolotte, na 71.ª passagem, com o tempo de 1min19s733, à média de 137.94 km/h. A dupla londrinense assumiu a liderança na sétima volta, para não mais perdê-la até o fim da prova, que foi realizada no menor tempo da história das “500 Milhas de Londrina”.

Dibe Grelak
José Ramos e Maicon Tumiate venceram na Geral e no Grupo 2.

O trio curitibano Beto Richa/Rodrigo Gonçalves/Paulo Henrique Munhoz da Rocha (Academia Gustavo Borges/Essa Motors) abandonou a corrida na 13.ª volta, quando explodiu o motor de seu Spyder n.º 45 e um dos pistões fez um rombo no bloco do motor.

O trio já teve problemas na parte elétrica do carro, durante o treino classificatório e largou em 14.º lugar. “Este ano não tivemos sorte nas 500 Milhas. Na quinta-feira nosso carro pegou fogo.

Não conseguimos andar direito nos treinos classificatórios e na corrida explodiu o motor. Deu tudo errado. Não tem problema, em 2009 estaremos lá de novo”, disse Rodrigo Gonçalves.

Algacir e Geraldo Sermann trocaram três vezes a caixa de câmbio.

A equipe CLZ Motorsport de Curitiba, com a dupla Celso Zocollote/Beto Cazuni que era favorita à vitória, não concluiu a prova. Largou na pole position e liderou até a sétima volta. Mas depois disso, parou nos boxes duas vezes para fazer reparos em seu Spyder e com 80 voltas abandonou por quebra do motor.

“São coisas de corrida. Este ano nós poupamos o carro o máximo possível, nos treinos livres e classificatórios. Vínhamos numa tocada tranqüila na prova, mas mesmo assim não deu. Ainda não foi desta vez, mas ainda vamos vencer aqui em Londrina”, declarou Celso Zocolotte.

Fendrich, Amaral e Gonçalves conquistaram três troféus em Londrina.

O piloto catarinense Leomar Fendrich, e os paranaenses Maurício Amaral e Rodrigo Gonçalves (Frenar Freios/Iguaçú Selos Mecânicos/IBM Ferramentas) apesar do problema de superaquecimento que tiveram no carro, colheram bons resultados.

Ficaram em 16.ª lugar na Geral, mas garantiram o te,rceiro lugar no Grupo 1 e Grupo 2, mais um segundo lugar no Paranaense de Endurance. “Foi muito gratificante correr em parceria com o Maurício e o Rodrigo.

Pena que tivemos problemas no carro. Vamos nos preparar para melhorar isso para a prova do ano que vem”, argumentou Leomar Fendrich.

Beto Cazuni e Celso Zocolotte abandonaram por quebra do motor.

No Grupo 4, o destaque foi da Equipe WCR, com um Peugeot 206, dos pilotos José Cordova, Fernando Sedechem e Marcos Ramos (Le Lac/Le Parc/Le Champ/Dumas/Banco Peugeot), que concluiu a prova na oitava posição na Geral, primeiro lugar no Grupo 3 e Paranaense de Endurance e terceiro lugar no Grupo 3.

“Com esse resultado, conquistamos o título do Paranaense de Endurance em nossa categoria. Encerramos o ano no lugar mais alto do pódio”, brincou Marcos Ramos. Já o trio Rodrigo Tassi/Tiago Lopes/Alessandro Marchini (Vidofer), concluíram a prova em nono lugar na Geral, quarto lugar no Grupo 5, segundo lugar no Grupo 4 e primeiro lugar no Paranaense de Endurance, Grupo 4.

Carro de Gonçalves, Richa e Rocha explodiu motor no início da prova.

Os irmãos curitibanos Algacir e Geraldo Sermann (Grupo PoliService), não tiveram sorte nas 500 Milhas de Londrina, correndo no Grupo 4 e Paranaense de Endurance. Durante a prova, trocaram três vezes a caixa de câmbio e uma vez a embreagem, comprometendo seu desempenho e mesmo assim, ficaram em sexto lugar no Grupo 4.

“Nosso motor estava forte. Mas o sistema câmbio/embreagem nos deixou na mão. As quebras também fazem parte das corridas, dessa vez não deu, mas vamos em busca da vitória no Grupo 4 em 2009”, concluiu Algacir Sermann.