Inúmeros lançamentos em 2011 colocaram em evidência o segmento dos sedãs médios em 2011.  Por isso a JAC Motors vai investir no filão com o três volumes J5, cujo lançamento deverá acontecer no dia 19 de março próximo.

Com preço sugerido em torno de R$ 54 mil, o sedã J5 chegará com itens de série como ar-condicionado digital, direção hidráulica, comandos elétricos para vidros (quatro portas), retrovisores e travas, volante revestido em couro com regulagem de altura, bancos em veludo, sistema de áudio com CD/MP3 e entradas auxiliares, rodas aro 16 em pneus 205/55, sensor de estacionamento traseiro, além de airbag duplo frontal e freios ABS. Como opcional, o J5 oferece rodas aro 17 com pneus 215/45.

O modelo da JAC tem medidas dentro da média da categoria, com 4,59metros de comprimento, 1,76m de largura, 1,46m de altura e bons 2,71m de entre-eixos, enquanto o porta-malas leva 460 litros declarados. Curiosamente, o motor não se trata de um 1.8 ou 2.0, como era padrão no segmento. Nem 1.6 16V, como popularizaram as versões de entrada dos médios, mas sim um 1.5 16V que rende 125cv de potência a 6 mil giros e 15,5kgfm a 4 mil rpm, que levam o peso de 1.315kg. Como o carro é equipado apenas com câmbio manual de cinco marchas, até que o desempenho anunciado é bom.

De acordo com a JAC Motors, a aceleração da imobilidade aos 100 km/h é cumprida em 11,8 segundos e a velocidade máxima é de 188 km/h. Porém, a falta de câmbio automático, que também é observada no multiuso J6, pode ser um empecilho no segmento, onde os rivais diretos contam com caixas do tipo.

Na prática, o três volumes J5 repete a estratégia de estar ligeiramente abaixo dos preços dos concorrentes e encarará as opções mais acessíveis entre os médios. Mesmo sendo cerca de R$ 10 mil mais caro que o conterrâneo Chery Cielo sedã 1.6 16V, ainda ficará cerca de R$ 3 mil abaixo do Ford Focus 1.6 16V sedã e Fiat Linea Essence 1.8 16V. Mas como ele será recebido no mercado brasileiro o novo sedã médio chinês ainda é uma incógnita, uma vez que a última palavra cabe ao consumidor. Vamos aguardar.