As obras de recuperação da rodovia de Castro até Tibagi, região Central do Estado, chegam a segunda etapa. Nesta semana, iniciam os serviços de recape e micro-revestimento do pavimento no trecho de 60 quilômetros entre os municípios.

?Num primeiro momento, foram finalizados os serviços para correção de deformações e problemas específicos no pavimento e em sua base. Agora, inicia-se o trabalho definitivo da recuperação do trecho?, explica o secretário dos Transportes, Waldyr Pugliesi.

De acordo com o DER, devem ser investidos perto de R$ 4 milhões nas obras com previsão de término para o final deste ano.

Pugliesi ressalta que as obras fazem parte de um dos maiores programas de recuperação, no qual está previsto um cronograma de recuperação de 1.837 quilômetros de rodovias com R$ 150 milhões em investimento em todo o Estado.

Para o secretário, a região dos Campos Gerais é uma das mais importantes para a economia do Estado, por isso, é fundamental garantir a qualidade e as condições de tráfego seguro das suas rodovias.

?Após a completa recuperação dos 115 quilômetros do município de Reserva até o Rio Ivaí e mais dos 58 quilômetros do Rio Ivaí passando Manoel Ribas até Nova Tebas, as obras em andamento prometem mudar o quadro da infra-estrutura dos municípios locais?, afirma.

Ventania

Ainda na região dos Campos Gerais, o DER trabalha na recuperação do trecho entre Ventania e Piraí do Sul (PR-090). As obras fazem parte de um programa de investimentos do Governo do Estado em conjunto com o Banco Mundial. ?Ao todos estão sendo restaurados 640 km de rodovias através desta parceria?, detalha Pugliesi.

Segundo técnicos do DER, as obras de melhorias dos 32 km do trecho, desde Ventania até o bairro Biquinho, em Piraí do Sul, iniciaram em fevereiro deste ano e devem ser entregues até o final de setembro.

Pugliesi lembra que a rodovia possui uma localização estratégica, fazendo a ligação do Norte e do Sul do Estado, como via de escoamento para a produção agrícola.

?A rodovia PR-090 cumpre um papel importante na ligação entre regiões do Estado, além de ser um caminho alternativo na rota até a capital, desviando as praças de cobrança do pedágio?, acrescenta o secretário.