O Banco Central (BC) estima que a inflação em 2006 ficará em torno de 4,30%. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) consta do relatório trimestral de inflação, divulgado hoje (28).

A estimativa está abaixo dos 4,5% estabelecidos como meta de inflação pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). E acima da previsão de 4,04% feita pelos analistas de mercado ouvidos na última pesquisa Focus, do Banco Central.

O relatório mantém a projeção de 4% para o crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país). Segundo o documento, no primeiro trimestre do ano, o PIB cresceu 3,4% em relação aos três primeiros meses de 2005 e 1,4% quando comparado ao PIB dos três últimos meses de 2005.

Segundo o BC, o Brasil está cada vez mais resistentes a choques por causa, principalmente, da queda "consistente" da inflação; dos "vultosos" saldos na balança comercial (exportações menos importações); da geração de "adequados" superávits primários (economia que o governo faz para pagar juros da dívida); e pela recomposição das reservas internacionais, que, de acordo com o relatório, deve apresentar uma "melhora substancial" em seus níveis.