O porta-voz do ministério do Interior do Paquistão, Javed Iqbal Cheema, disse nesta sexta-feira (28) que a líder oposicionista e ex-primeira-ministra Benazir Bhutto não morreu por feridas de balas ou por estilhaços de bomba, mas porque teve o crânio fraturado quando sua cabeça bateu contra o teto do veículo durante o impacto da explosão. Ele também disse que o governo interceptou uma mensagem na qual o líder extremista islâmico Baitullah Mehsud "felicitou o seu povo por levar a cabo esse ato covarde." Já o ministro do Interior do Paquistão, Hamid Nawaz, disse que o governo paquistanês tem "provas de que a Al-Qaeda e o Taleban estão por trás do ataque suicida contra Benazir Bhutto."

Cheema não ofereceu detalhes sobre a natureza das chamadas interceptadas, mas afirmou que Mehsud é "um líder da Al-Qaeda" e indicou que também foi responsável pelo atentado de 18 de outubro contra a passeata que dava boas vindas a Benazir em Karachi, quando ela voltava do exílio. Neste ataque de Karachi foram mortas pelo menos 150 pessoas.

Mehsud é comandante das forças aliadas ao Taleban na região paquistanesa do Waziristão do Sul, onde atuam também combatentes da Al-Qaeda. Suas forças costumam atacar o Exército do Paquistão. Há algumas semanas, um jornal paquistanês publicou declarações de Mehsud de que a volta de Bhutto seria comemorada com ataques suicidas. Mas Mehsud negou posteriormente, em mensagens a jornais e televisões do Paquistão, ter feito tais declarações.