Brasília ? Fruticultores de todo país ganham em março mais um reforço para combater as pragas que atingem as lavouras. A mosca das frutas destroem boa parte do cultivo e prejudicam a produção. Para combater esse vilão, o Ministério da Agricultura criou a biofábrica Moscamed, que produzirá insetos machos estéreis para controlar a reprodução natural da espécie.

A chefe da divisão e controle de pragas da Secretaria de Defesa Agropecuária, Maria Julia Sinhorete, explica que os insetos são esterelizados e soltos nas lavouras em grande quantidade. "Eles competem com os machos selvagens pelas fêmeas e estas colocam ovos inférteis, diminuindo assim a população da praga a cada geração", explica a técnica.

De acordo com ela, a idéia é erradicar a praga para garantir a posição do Brasil como o terceiro maior exportador de frutas do mundo. A técnica do inseto estéril para mosca da fruta já é usada em vários países. "Esse método visa a diminuição populacional da mosca da fruta sem o uso de agrotóxicos, é seguro e podemos garantir a qualidade da fruta brasileira para exportação para paises como Argentina e Japão", afirma Maria Julia Sinhorete.

Com a iniciativa, serão beneficiados fruticultores como o baiano Roberto Pieczur. Ele cultiva manga e relata que uma das principais ameaças à produção é a mosca da fruta. "Se nós tivermos um ataque menor da mosca da fruta, nós vamos conseguir uma produção maior e melhor com frutas mais saudáveis pra chegar ao nosso consumidor", acredita o produtor.

A biofábrica será instalada na cidade de Juazeiro na Bahia e vai produzir 200 milhões de insetos por semana. A meta é atender todos os pólos de fruticultura do país. A iniciativa do Ministério da Agricultura também tem o apoio dos ministérios de Ciência e Tecnologia e Integração Nacional.