O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, admitiu hoje ter iniciado um período de incerteza para seu governo trabalhista após anunciar que renunciará ao cargo antes de setembro. "Não tem sido fácil, mas surgiriam outros problemas muito diferentes se não tivesse anunciado meus planos de saída", disse Blair em entrevista ao jornal britânico The Observer.

"Não foi minha decisão criar no ano passado uma situação que provocaria tanta incerteza. Sempre iria existir a polêmica sobre se foi ou não inteligente dizer que não concorreria a uma quarta eleição. Pessoalmente, acredito que muitos outros problemas seriam gerados se não tivesse falado sobre minha renúncia", disse.

O primeiro-ministro disse que não quer repetir os erros da ex-premiê Margaret Thatcher, que foi "apertada e expulsa" do governo por seu próprio partido, em 1990. "Thatcher vivia dizendo que continuaria no cargo porque perguntavam a ela constantemente e finalmente foi expulsa" do governo, disse.

Para Blair, sua saída ajudará o Partido Trabalhista a conquistar novamente o apoio dos eleitores, que abandonaram o grupo após sua decisão de apoiar a invasão e ocupação militar dos Estados Unidos no Iraque.