A Prefeitura de Curitiba oferece a partir desta segunda-feira (14) o programa Bom Negócio para os empreendedores dos bairros Fanny e Guaíra, na Regional Portão; e Cajuru, Capão da Imbuia e Uberaba, na Regional Cajuru. O programa, que é gratuito, capacita pessoas para a gestão de empreendimentos.

Joana Lopes Weber, coordenadora do Bom Negócio, diz que durante três semanas os participantes assistem a uma palestra de motivação que tem como tema "Projeto de Vida e Empreendedorismo" e a quatro módulos que tratam da gestão de negócios, finanças pessoais e empresariais, marketing e vendas e qualidade empresarial.

O Bom Negócio é coordenado pela Curitiba S.A, empresa responsável pela política de desenvolvimento econômico e empresarial do município. As aulas são feitas por professores treinados pelo Centro Universitário Unifae, parceiro da companhia no desenvolvimento do programa.

Os cursos começaram às 19 horas e acontecem de segunda a sexta-feira, cada uma com três horas de duração. No bairro Guaíra as reuniões serão realizadas na Escola Municipal Itacelina Bittencourt, que fica na rua São Paulo, 2055; no Fanny, no Centro de Educação Integral (CEI) Belmiro César, localizado na rua Padre Manoel da Nóbrega, 327.

No Capão da Imbuia o programa acontecerá na Escola Municipal Enéas Marques, instalada rua Osmário de Lima, s/n (Praça Mansuedem Prudente); no Cajuru, Escola Municipal Osmar Sabbag, que fica na rua Pedro Bochino, 14; no Uberaba, na Escola Municipal João Macedo Filho, rua Ulisses José Riseiro, 410.

O Bom Negócio já foi oferecido em 28 bairros. Atualmente, outros cinco cursos estão em andamento. Juraci Barbosa Sobrinho, presidente da Curitiba S.A., lembra que até o final deste ano outras 20 localidades receberão o programa.

"Com certeza o Bom Negócio será um diferencial da gestão do prefeito Beto Richa, que tem em seu plano de governo atender os micro e pequenos empresários, já que eles são responsáveis por 97,07% das empresas existentes em Curitiba", diz ele.

Para participar do Bom Negócio, os empreendedores são incentivados a doar alimentos não-perecíveis no início de cada módulo. São os próprios participantes do programa é que decidem para quem serão feitas as doações.