A BR Distribuidora vai atuar como agente de comercialização de energia elétrica co-gerada a partir da queima do bagaço da cana-de-açúcar. A idéia da subsidiária da Petrobras é trabalhar em parceria com as unidades sucroalcooleiras e oferecer a energia adquirida delas nos próximos leilões públicos.

Renato de Andrade Costa, diretor da BR, apresentou hoje (9) proposta a um grupo de empresários da Usinas e Destilarias do Oeste Paulista (UDOP), durante a Feira de Negócios da Agroindústria Canavieira (Fiecana) e pregou que eles se unam para oferecerem um volume maior de energia a ser comercializado. O projeto prevê também a troca da energia co-gerada por, por exemplo, diesel combustível fornecido às usinas.

O Grupo Unialco, segundo seu presidente, Luiz Guilherme Zancaner, já tem uma carta de intenções com a empresa e irá fornecer a energia co-gerada em suas unidades para a BR Distribuidora. "Outros projetos deverão ser formalizados em breve. A BR quer utilizar o nome que tem no mercado e sua logística também na distribuição de energia", disse Zancaner.

O valor a ser pago pelo megawatt fornecido, segundo Zancaner, seria um pouco maior do que o definido no Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa). A ação da BR no setor de energia elétrica surgiu logo após a crise no setor e o início da construção das primeiras unidades termoelétricas anexas às unidades sucroalcooleiras. A Petrobras destina 1% de todos os investimentos anuais às fontes de energia alternativas, como biodiesel, energia elétrica e hidrogênio.