Ministério da Fazenda e o Banco Mundial (Bird) firmaram hoje o primeiro Empréstimo Programático de Ajuste ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável (PSAL) no valor de 427 milhões de euros, o equivalente a meio bilhão de dólares. O empréstimo foi aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE). O dinheiro reforçará as reservas internacionais do país e foi concedido com base na agenda de reforma do governo, que tem apoio do Bird.

Segundo informações divulgadas pelo Banco Mundial, a liberação de recursos foi aprovada em apoio a uma série de medidas microeconômicas e reformas institucionais para impulsionar o crescimento amplo e sustentável, gerar empregos e reduzir a pobreza por meio de maior investimento e aumento da produtividade.

O dinheiro deverá ser destinado à promoção de reformas em quatro áreas: logística (redução de custos nos despachos aduaneiros e de transporte de carga), clima de negócios (aperfeiçoamento das regras para quem quer investir em infra-estrutura), sistema financeiro (aprimorar o sistema bancário) e inovação (melhorar a aplicação de verbas públicas destinadas ao meio ambiente).

O Brasil é um dos maiores clientes do Bird, com empréstimos totalizando US$ 33 bilhões desde 1949. Tem carteira de projetos pendentes de US$ 8,4 bilhões. Este ano estão previstos até US$ 2 bilhões para o Brasil.