O Brasil vai pedir ao governo dos Estados Unidos que mantenha preso, para fins de extradição, o casal de bispos da Igreja Renascer em Cristo, Estevam e Sônia Hernandes. O pedido, a ser enviado na próxima semana junto com o requerimento de extradição poderá chegar tarde porque Estavam foi libertado ontem e o mesmo deve ocorrer com Sônia. Sem uma nova acusação que os leve de volta à prisão já nos EUA, os dois poderão viajar para algum país que não tenha tratado de cooperação jurídica com o Brasil, tornando a extradição mais difícil.

Enviado pela Justiça de São Paulo, o pedido de extradição dos religiosos chegou na última quarta-feira a Brasília. Mas só ontem ficou pronto o parecer do Departamento de Estrangeiros do Ministério da Justiça. A petição da prisão e extradição do casal está prevista para ser assinada na próxima segunda-feira pelo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos. Mas a entrega ao governo americano deve demorar um pouco mais, pois o documento ainda terá de tramitar no Ministério das Relações Exteriores.

Sônia e Estevam estão com prisão decretada pela justiça paulista em processo no qual são denunciados pelo Ministério Público por estelionato contra fiéis, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e outros crimes. O casal foi preso ao entrar nos Estados Unidos, na semana passada, porque portavam US$ 56,5 mil camuflados na bagagem, nas roupas e até numa bíblia, quando só tinham declarado US$ 10 mil.

A defesa do casal nega as acusações e alega que os dois não podem ser extraditados porque o tratado de cooperação entre os dois países não prevê extradição para o crime de lavagem de dinheiro. O pedido de anulação da extradição foi rejeitado pelo Ministério da Justiça.