Os traficantes Isaías da Costa Rodrigues, o Isaías do Borel; Alexandre Mendes da Silva, o Polegar; Aldair Marlon Duarte, o Aldair da Mangueira; Magno Fernando Soeiro, o Magno da Mangueira; Rodrigo Marinho, o Rolinha; e William da Silva Lima, o Professor, líderes do Comando Vermelho (CV), eram os alvos da tentativa de resgate ocorrida na noite de terça-feira no presídio Bangu 3, no complexo de penitenciário da zona oeste do Rio.

A ação foi planejada em reunião na Favela da Rocinha, da qual participaram os traficantes Luciano Barbosa da Silva, o Lulu da Rocinha; Evanildo Marcos da Silva, o Dão, do Morro da Providência; André Anchieta, o Maninho, da Favela do Jacarezinho; Marcio Batista da Silva, o Dinho Porquinho, de Manguinhos; e Jorge Alexandre Cândido Maria, o Sombra, de Vila Kennedy.

Um dos principais líderes do CV, Isaías do Borel, de 39 anos, foi preso em janeiro de 1990, na Tijuca, zona norte, e condenado a 30 anos de prisão. Até hoje, continua no controle do tráfico do Morro do Borel. Isaías teria determinado a execução do traficante Celso Luiz Rodrigues, o Celsinho da Vila Vintém, durante a rebelião do dia 11 de setembro em Bangu 1, ordem que não foi cumprida.

Preso em janeiro de 2002, numa mansão à beira-mar no Ceará, Polegar comanda o tráfico no Morro da Mangueira, na zona norte, e também é importante na hierarquia do CV. Com ele, policiais da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) apreenderam ouro, pedras preciosas e carros de luxo. Polegar havia adquirido imóveis avaliados em R$ 2 milhões.

Aldair da Mangueira chefia o tráfico de drogas na zona oeste do Rio.Capturado em outubro de 2001, o traficante, de 25 anos, já foi resgatado da carceragem da Polinter, na zona portuária, em outubro do mesmo ano, quando criminosos derrubaram uma parede da cadeia com um caminhão. Em março passado, ele foi preso novamente. É acusado também de participar do seqüestro e assassinato do empresário Robert Ávila de Souza, em 1999.

Magno da Mangueira foi afastado do controle do morro da zona norte do Rio em setembro de 1996 e preso em novembro do ano seguinte por policiais do 9.º Batalhão (Rocha Miranda). Era famoso por distribuir drogas dentro de bonecos de Papai Noel, durante o Natal, e em bombons e ovos de Páscoa.

Rolinha seria o chefe do tráfico no Morro da Fazendinha, no Complexo do Alemão, zona norte. Preso em junho de 2001, ele tem, segundo a Polícia Federal, contatos em cinco Estados do País e é responsável por três grandes rotas de abastecimento de drogas, armas e munição para favelas do Rio. Já Professor, um dos mais antigos presos em Bangu, participou da fundação da Falange Vermelha, no fim dos anos 70, no presídio da Ilha Grande. O