Fortaleza (AE) – Advogados de entidades que compõem a Frente Cearense por uma Nova Cultura de Água Contra a Transposição do São Francisco entraram com uma ação cautelar para impedir que seja repassado o restante do dinheiro, R$ 250 mil, prometido pelo governo do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, para o desfile da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, do Rio. O juiz da 7.ª Vara da Fazenda Pública, Carlos Augusto Gomes, analisa o processo. ?Nos próximos dias, terei uma posição sobre o assunto?, disse.

No samba-enredo da Mangueira, que fala sobre a transposição, não há menção ao Ceará, que é um dos quatro Estados atendidos com a obra. Mesmo assim, o governo do Estado comprometeu-se em repassar R$ 500 mil, dos quais metade foi entregue. A negociação do patrocínio teria sido feita por intermédio do ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, responsável pela obra de deslocamento.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Ceará, Hélio Leitão, também tenta impedir o repasse da verba. Leitão alega que há desvio de finalidade, uma vez que, na justificativa apresentada pelo governo estadual, o apoio à escola de samba fortaleceria a luta da administração estadual pela transposição. ?Isso não é finalidade da Secretaria de Cultura?, sustenta.