Depois de nove meses fora do processo sobre a morte de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes de Souza, por ter sido suspenso após ser flagrado em vídeo fumando crack, o polêmico advogado Ércio Quaresma volta ao caso. Desta vez, porém, ele vai integrar a equipe de defesa de outro réu, o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, acusado de executar a vítima.

Hoje, o advogado, que também é ex-policial civil e passou três meses internado para tratamento de dependência química, já atuou na defesa de Bola em outro processo, sem relação com o processo contra o goleiro.

Na ação que tramita no Tribunal do Júri de Contagem pelo sequestro e assassinato de Eliza, Quaresma era advogado de Bruno, defesa que atualmente está a cargo de Cláudio Dalledone Júnior.

Ércio Quaresma, que chegou a dormir e roncar em audiência presidida pela juíza Marixa Rodrigues, não será responsável sozinho pela defesa de Bola. Ele vai integrar a equipe de Zanone Júnior, já encarregado do processo. Bola é acusado de homicídio, mas não foi incluído na denúncia por sequestro e cárcere privado, como Bruno e outros acusados.