Faltando três semanas para o início do recesso de julho no Congresso Nacional, o presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), anunciou que a pauta de plenário da Casa deverá ser desobstruída hoje, com a votação da medida provisória que define o valor do salário-mínimo. A votação da MP foi adiada para dar tempo ao Senado de concluir a votação da prorrogação da CPMF. Caso os deputados votassem o mínimo, a matéria trancaria a pauta do Senado e impediria a votação do imposto do cheque.

A medida provisória do salário-mínimo está trancando a pauta da Câmara desde o dia 12 de maio. Após a votação da medida, a Casa terá prazo de mais duas sessões para enviar a matéria ao Senado. Já a prorrogação da CPMF até 2004 deverá ser votada em segundo turno amanhã no Senado.

Apesar do pouco tempo que resta para o recesso parlamentar, Aécio disse que ainda pretende priorizar a votação do fim da cumulatividade de impostos – PIS e Cofins – e de propostas relativas à segurança pública até o fim do mês. Em fevereiro, ele se comprometeu a votar o pacote antiviolência.

Mas o presidente da Câmara vai ter correr para cumprir o compromisso, já que, como a própria Agência Câmara informa, este é praticamente o último mês de funcionamento do Congresso antes da eleição de outubro. No segundo semestre os parlamentares vão se dedicar à campanha eleitoral em seus estados e dificilmente participarão de votações em Brasília. (Fonte:AG)