O Comando da Aeronáutica informou que foi ativado às 12 horas o terceiro Corredor de Defesa Aérea, áreas especiais de vôo, cujo objetivo é desafogar o tráfego aéreo. O novo corredor vai aliviar o fluxo aéreo nas rotas do Nordeste para São Paulo e ficará no Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta 1), que controla a maioria dos vôos do País.

"As aeronaves que usam esses corredores voam em um espaço aéreo exclusivo, restrito, com freqüências de comunicações reservadas, onde não há cruzamentos, separadas em nível e em distância, como voam as aeronaves militares, e sob a coordenação de controladores do Primeiro Centro de Operações Militares (COPM I) o ‘braço’ de defesa aérea do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro", informou o Comando da Aeronáutica no boletim que informa a mudança.

É como se fosse criada uma "ponte", onde o avião que partiu de um determinado ponto passa por cima de uma área que tem volume intenso de vôos. Dessa forma, o sistema de controle fica menos sobrecarregado, já que reduz o número de aeronaves nos centros de maior volume e evita a implementação de restrições, como maior espaçamento entre as aeronaves.