A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) decidiu, em reunião que terminou na noite desta terça-feira (10), baixar resolução determinando à Infraero a adoção de sete medidas dentro de uma operação de emergência no aeroporto de Congonhas. A meta é aumentar a capacidade de atendimento de passageiros e companhias aéreas no aeroporto.

Entre as determinações da Anac estão a contratação de mais ônibus para atender os passageiros e de pelo menos mais seis deles apenas para embarque e desembarque na pista auxiliar do aeroporto e redistribuição das áreas destinadas ao "check-in" no saguão do aeroporto. A Anac determinou ainda que a Infraero aumente o número de funcionários que atendem as pontes de embarques (fingers), passando a ter um operador por finger durante todo o período de funcionamento do aeroporto, além de exigir mais gente também trabalhando na inspeção das bagagens de mão e pertences pessoais, quando da entrada no saguão de embarque do aeroporto, em especial daqueles que operam as máquinas de inspeção por raio X.

A agência de regulação da aviação pediu ainda que a Infraero avalie o quantitativo dos equipamentos de inspeção por raio X em operação no aeroporto, para aquisição de mais máquinas, se houver necessidade. Assim que estas medidas forem implementadas, a agência poderá voltar a estudar o pedido das empresas de aumento de pousos e decolagens no aeroporto de Congonhas.

As informações são de O Estado de S. Paulo