Boa Vista – Foi libertado na madrugada de ontem da cadeia pública de Boa Vista (RR) o ex-governador Neudo Campos (PP), 55, preso há dez dias sob a acusação de ser o mentor do chamado “escândalo dos gafanhotos”, que pode ter desviado mais de R$ 230 milhões dos cofres públicos em Roraima. A Justiça Federal não acatou pedido de prisão preventiva para o político, solto com mais 37 pessoas. Campos foi detido em Brasília durante a operação “Praga do Egito”, deflagrada por 200 agentes da Polícia Federal, que tinha o objetivo de cumprir 57 mandados de prisão, além de ordens de busca e apreensão, inclusive na casa do ex-governador, em Boa Vista, onde foram retirados dois carros cheios de material. A Procuradoria da República tentou manter preso o ex-governador, pedindo prisão preventiva (válida por 80 dias) para ele, mas a Justiça Federal não acolheu os argumentos de possibilidade de coação de testemunha e obstrução das investigações com a soltura dos acusados. “A decisão da Justiça não enfraquece em nada o nosso trabalho. Ainda não li o despacho do juiz (Helder Girão Barreto), mas creio que ele esteja bem fundamentado. Infelizmente não conseguimos reunir todos os elementos necessários para que o ex-governador continuasse preso”, declarou o procurador da República Carlos Mazzocco.