Allan Costa Pinto
Allan Costa Pinto

No Afonso Pena, foram registrados 11 atrasos e três cancelamentos.

Brasília – Apesar da neblina e da chuva terem interrompido nesta terça-feira (10) os pousos em algumas capitais do país, desencadeando atrasos e cancelamentos de vôos em vários aeroportos, o movimento já se normalizou, segundo a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero).

De acordo com o último balanço da estatal, de 981 vôos programados entre a meia-noite e às 14 horas de hoje, 121 haviam sofrido atraso de mais de uma hora e outros 81 forma cancelados. Os números representam, respectivamente, 12,3% e 8,2% do total. De acordo com a Infraero, às 14 horas, 25 (2,5%) dos vôos, permaneciam atrasados.

O Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre (RS), foi o mais afetado pelo mau tempo e teve que permanecer fechado para pousos por quase 16 horas. A interrupção ocorreu entre às 21h52 de ontem (9) e às 13h43 de hoje (10). Segundo a Infraero, as decolagens tiveram de ser realizadas com o auxílio de instrumentos de vôo.

Durante o tempo em que o aeroporto permaneceu fechado, foram canceladas 14 partidas e 11 chegadas. Até às 15 horas, oito decolagens e nove aterrissagens tinham sofrido atrasos de mais de uma hora.

Em Curitiba, no Aeroporto Internacional Afonso Pena, foram registrados 11 (22,4%) atrasos e três cancelamentos (6,1%) de um total de 49 vôos previstos. No Aeroporto Internacional de Florianópolis, quatro (21%) de 19 vôos atrasaram mais de uma hora e dois (10,5%) foram cancelados.

No Rio de Janeiro, o Aeroporto Santos Dumont também ficou fechado para pousos por pouco mais de duas horas devido ao nevoeiro. Nesse tempo, três vôos foram transferidos para o aeroporto do Galeão.

Segundo a Infraero, até às 16 horas, quatro chegadas e seis partidas tinham sofrido atrasos. Outras 15 chegadas haviam sido canceladas por motivos diversos, não só devido ao mau tempo.

Os principais aeroportos de São Paulo – Cumbica, em Guarulhos e Congonhas – funcionaram normalmente, sem restrições. No primeiro, apenas 10 (8,9%) dos 112 vôos sofreram atrasos e três (2,6%) foram cancelados. Já em Congonhas, 11 (8%) dos 137 vôos atrasaram e 19 (13,8%) foram cancelados.