Dezesseis ativistas que ocuparam a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, no Centro, na noite de quinta-feira, 8, deixaram o prédio pacificamente por volta das 4h desta sexta, 9. Segundo a assessoria da Casa, por volta das 9h, cerca de 400 pessoas aguardavam do lado de fora a primeira reunião de trabalho da CPI dos ônibus, que vai ocorrer no salão nobre. A sala possui cerca de 200 lugares para o público.

A principal reivindicação dos ativistas é que o vereador oposicionista Eliomar Coelho (PSOL), que propôs a CPI, seja nomeado o presidente da comissão. Entretanto, o líder do governo Eduardo Paes (PMDB) na Câmara, Professor Uóston (PMDB), anunciou nessa quinta-feira que também é candidato à presidência. Ele deve ser eleito, já que os outros três membros também são da base do governo. Nenhum dos quatro parlamentares da situação assinou o pedido de CPI protocolado pela oposição.

A invasão da Câmara ocorreu após uma passeata. Cerca de mil pessoas saíram da Igreja da Candelária. Um grupo caminhou até a Assembleia Legislativa (Alerj), na Praça 15, e ocupou o Palácio Tiradentes. Autorizados pelo presidente da Casa, deputado Paulo Melo (PMDB), seguranças usaram sprays de pimenta para retirar os ativistas. Depois, os manifestantes seguiram para o Palácio Pedro Ernesto, sede da Câmara de Vereadores, que foi ocupado até a madrugada.