Depois de protestos que pararam parcialmente a cidade nas noites de segunda, 17, e terça-feira, 18, o prefeito de Itapetininga, Luis Di Fiori (PSDB), decidiu revogar um decreto que implicava em aumento nas contas de energia da população. O decreto reajustou em 50% a Contribuição de Iluminação Pública (CIP) que é repassada para a conta dos contribuintes. Nos dois dias, cerca de 500 pessoas ocuparam o prédio da Câmara e saíram às ruas com faixas e cartazes.

A revogação será publicada no Diário Oficial do Município nesta sexta-feira, 21. A prefeitura vai realizar audiências públicas para decidir sobre o repasse da CIP.

Vandalismo

Manifestantes depredaram o prédio da prefeitura de Marília, no centro-oeste do Estado, durante protesto contra mudanças no transporte coletivo da cidade, no final da noite de terça-feira. Um grupo quebrou os vidros e invadiu o prédio, que já estava fechado. Mesas, cadeiras e equipamentos foram danificados. A Tropa de choque da Polícia Militar interveio e usou bombas de efeito moral para conter os manifestantes. Uma estudante de 22 anos foi presa com maconha no interior do prédio. A Cavalaria também foi mobilizada para dispersar o grupo.

Em nota, nesta quarta-feira, 19, a prefeitura repudiou o vandalismo e disse que tomará providências contra os responsáveis. Também informou que espera um desfecho rápido na crise causada por empresas que disputam o serviço de ônibus. Em Itapeva, sudoeste paulista, 150 pessoas saíram às ruas com faixas e cartazes na noite de terça-feira para pedir asfalto nos bairros e melhorias nos serviços públicos de saúde, educação e transporte coletivo. A Polícia Militar acompanhou a manifestação e não houve incidentes.

Mais protestos

Às 20 horas desta quarta, em Avaré, estudantes e moradores promovem manifestação no Largo de São Benedito, região central, para cobrar moralidade na política. São esperados pelo menos mil manifestantes.

Em Sorocaba, mais um protesto contra o aumento na tarifa de ônibus, de R$ 2,95 para R$ 3,15, está marcado para esta quinta-feira, 20, a partir das 17 horas, no Largo do Canhão, centro da cidade. Pelo menos dez mil pessoas já confirmaram participação em convocações feitas na rede social Facebook.