Os dois homens que invadiram a casa e mataram o cartunista Glauco Villas Boas e seu filho, Raoni, estavam transtornados e aparentemente drogados, contou o advogado da família Ricardo Handro. Os suspeitos estavam armados e invadiram na madrugada de hoje a residência da família, localizada no bairro Jardim Santa Fé, em Osasco, na Grande São Paulo, e com ameaças renderam a filha, a mulher e o cartunista. Após negociações com os suspeitos, Glauco saiu com os bandidos e foram surpreendidos por seu filho Raoni, que chegava da faculdade.

Ao se deparar com seu pai, já ensanguentado por conta de uma coronhada, Raoni tentou negociar com os suspeitos, que acabaram disparando quatro tiros em cada um. Segundo o advogado, esposa e filha de Glauco ficaram machucadas por conta de pancadas na cabeça e no rosto e estão em estado de choque. Glauco e Raoni chegaram a ser levados para o Hospital Albert Sabin, na Lapa, na zona oeste da capital paulista.

A família aguarda a liberação do corpo pelo Instituto Médico-Legal (IML) de Osasco para marcar o velório e o enterro das vítimas. Segundo o advogado, a família pede que o velório seja reservado. Já o enterro será liberado.

O Cartunista

Glauco Villas Boas nasceu em Jandaia do Sul, no interior do Paraná, em 1957. Desde 1984 ele publicava suas tiras no jornal Folha de S.Paulo. Glauco criou personagens memoráveis como Geraldão, o Casal Neuras, Doy Jorge, Dona Marta e Zé do Apocalipse.