Moradores discutem com a polícia
no arsenal do traficante.

Rio – A polícia do Rio apreendeu ontem cerca de 30 mil projéteis para fuzis e pistolas, 161 granadas, oito minas terrestres, dois coletes à prova de balas e um fuzil em uma casa na favela da Coréia, em Bangu (zona oeste).

“Essa é uma mina antipessoal (existe a antiveículo) e é capaz de mutilar até três homens de uma vez. É produzida para interromper o avanço de uma infantaria e só é usada por militares”, disse o delegado Carlos Oliveira, da Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (DRAE). Segundo ele, todo o material está em perfeito uso.

A operação na favela, que envolveu 26 agentes da Polinter, ocorreu por volta de 9h e tinha o objetivo de prender o traficante Robson Andrade da Silva, o Robinho Pinga, que controlaria o tráfico na zona oeste. O material estava armazenado em prateleiras no buraco de três metros quadrados e 2 5 metros de profundidade, que ficava em um dos quartos. Uma porta de ferro tampava o esconderijo, que foi construído com azulejos.

Como o terreno era úmido, os bandidos tiveram o cuidado de instalar uma bomba de sucção para evitar que os explosivos fossem danificados pela água. A polícia monitorava o local há dois meses. “Fomos prender o Robinho Pinga e achamos o paiol dele. É um prejuízo para sua quadrilha”, disse o delegado Rodolfo Waldeck, da Polinter. No final da tarde, cinco pessoas foram detidas, entre elas um menor de 17 anos, tentando fechar o buraco com terra. Eles disseram que eram apenas pedreiros.

“Vai ser feito um rastreamento dos lotes para descobrir de onde as minas e as granadas vieram. Queremos saber onde estão comprando. É um armamento que assusta, uma coisa nova para a gente”, disse Waldeck. Segundo ele, todo o material é de uso das Forças Armadas e o Comando Militar do Leste, até hoje, não havia registrado roubo de armamento. Segundo a Secretaria da Segurança, o material, está avaliado em R$ 500 mil.

As 8 minas M-409 encontradas no Rio são uma ameaça inesperada. Elas são difíceis de serem detectadas, elas são mortais em 90% das explosões num círculo de 5 metros. Os fragmentos metálicos podem chegar a 25 metros com poder letal e provocam ferimentos a distâncias de até 100 metros. Fabricadas originalmente na Bélgica pelo grupo BRB Industries sob denominação NR-409, as minas pesam 183 gramas. Circulares, metálicas, cobertas de plástico para dificultar a detecção e facilitar a camuflagem, são armadas com 80 gramas de explosivo moldado – um composto de TNT, RDX e pólvora de alta potência. O detonador de peso reage a um peso de 8 quilos. Essa mina, após instalada, não pode ser desativada.