A atracação do navio Rainbow Warrior, do Greenpeace, no terminal de passageiros do porto do Rio, atraindo para o local uma leva de militantes ambientalistas levou a Administração do Píer Mauá a contratar os serviços de uma empresa especializada na coleta de lixo flutuante -sacos de lixo, garrafas pet, latinhas de cerveja e embalagens de salgadinhos em quantidade constrangedora.

Segundo Lourenço Ravazzano, da Ecoboat, os três barquinhas-aspiradores de lixo operarão no cais durante todo o período da Rio+20, a Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável que acontece de hoje até o dia 22.

“É muito feio esse lixo espalhado por aí. Dá a impressão de país de terceiro mundo”, disse Ravazzano. Trabalhando a todo vapor, as barquinhas não conseguiam, entretanto, melhorar a imagem.