Parlamentares da oposição e até mesmo da base aliada compararam a um golpe de Estado o terceiro mandato defendido pelo vice-presidente da República, José Alencar, para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para eles, o vice se deixou contagiar pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que tentou alterar a Constituição para eleger-se pela terceira vez.

?Isso seria a quebra da ordem constitucional vigente, seria a implantação de uma ditadura disfarçada na forma de um chavismo ultrapassado e inaceitável?, afirmou o líder do PDT, senador Jefferson Péres (AM). Péres disse que Alencar se esqueceu que o Brasil vive um Estado democrático de direito. ?Foi uma declaração extremamente infeliz do vice-presidente?, criticou. ?É lamentável ele ter dada essa declaração?, completou.

O secretário-geral nacional do PT, deputado José Eduardo Martins Cardozo (SP), também fez críticas à declaração de Alencar. Cardozo afirmou que é contrário a qualquer medida ?casuística? de prorrogação do mandato presidencial. ?Qualquer discussão sobre isso, neste momento, foge ao campo da oportunidade política.?

Para o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), José Alencar ?perdeu uma boa oportunidade de ficar calado ou de defender juros mais baixos, como sempre fez?. Sobre a alegação do vice-presidente de que ?Lula tem feito muito?, mas ainda ?falta muito para fazer?, o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), lembrou que, segundo especialistas, o risco de apagão não está afastado. ?São irrisórios os investimentos do governo petista em infra-estrutura. Acho que precisam começar logo com as obras que o vice-presidente diz que estão sendo feitas?, afirmou.