Rio de Janeiro – Os fornecedores de produtos e equipamentos destinados ao Sistema Brasileiro de TV Digital poderão ter acesso a financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social com juros mais baixos. O banco reduziu a taxa fixa de juros anual de 6% para 4,5% para esses projetos.

A medida foi aprovada esta semana pela direção do BNDES. O chefe do Departamento de Telecomunicações do banco, Alan Fischler, destacou porém, em entrevista nesta quinta-feira (5) à Agência Brasil, que os novos juros valem somente para a linha de Inovação e Desenvolvimento Tecnológico na modalidade fornecedores, dentro do Programa de Apoio à Implementação do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre(Protvd).

Nas demais modalidades do programa, que são a Protvd Radiodifusão e a Protvd Conteúdo, não houve queda de juros. A taxa foi reduzida para 4,5%/ano também na linha geral de Inovação, que ?é uma grande prioridade do BNDES?, explicou Alan Fischler.

Quando o Programa de Apoio à Implementação do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre foi criado, em fevereiro deste ano, a Taxa de Juros de Longo Prazo(TJLP) praticada pelo banco em suas operações era de 9% ao ano. Então, para estimular os empresários do setor, o BNDES estabeleceu uma taxa fixa para o Protvd de 6% ao ano, inferior em três pontos percentuais à TJLP vigente à época.

?Como a TJLP baixou para 6,25% ao ano, a taxa anterior já não representava uma grande prioridade. Então se ajustou para baixo para continuar representando uma prioridade. Ou seja, é uma sinalização de que o banco vê Inovação como uma grande prioridade?, afirmou o chefe do Departamento de Telecomunicações. Toda a parte de Inovação da TV Digital está incluída nessa prioridade. ?Novos equipamentos, aplicativos, enfim tudo que for classificado como Inovação vai poder se beneficiar dessa redução?, disse o técnico do BNDES.

O banco não está divulgando a carteira de investimentos do programa, mas Fischler adiantou que o volume de consultas é expressivo. ?A demanda está bastante grande?. Ele revelou, inclusive, que a maior procura é na parte de radiodifusão, tanto na parte de infra-estrutura como de conteúdo.

Segundo expôs Alan Fischler, a disponibilização para licenciamento, esta semana, do software Ginga, escolhido como padrão do Sistema Brasileiro de TV Digital, abre caminho para a fabricação de equipamentos pelo setor fornecedor, destacando aparelhos de transmissão e recepção e caixas conversoras.

O programa de apoio à TV Digital do BNDES tem dotação de R$ 1 bilhão durante sua vigência até 2013. Fischler salientou, entretanto, que ?esse é apenas um valor de referência?. Isso significa que havendo demanda, não faltarão recursos para financiar os projetos.