São Paulo – Trinta homens do Corpo de Bombeiros e funcionários da empresa especializada em demolições, contratada pela TAM, continuam os trabalhos no local do acidente com o avião da companhia aérea. Eles seguem fazendo o corte da laje superior da lateral do prédio, próxima à escada de emergência.

Segundo a Infraero, ao lado da cabeceira da pista, onde houve deslizamento de terra, técnicos colocaram outras lonas para evitar novos desmoronamentos. Como não parou de chover no local, os reparos ainda não começaram a ser feitos.

O muro em frente à cabeceira da pista amanheceu pichado com frases de protesto. Entre elas, ?Incompetentes, é isso que a Infraero é?, ?Aviação brasileira, que vergonha?,  ?Paz a todos?, "O Brasil está de luto" e "Fechem Congonhas". Um avião foi desenhado com a palavra medo ao lado.

O último levantamento divulgado pela Infraero sobre a movimentação em Congonhas indica que das 86 partidas programadas para a manhã de hoje, 58 foram cancelados. Dois vôos saíram com mais de uma hora de atraso. Outros 21 vôos foram remanejados para Cumbica e Viracopos. Apenas cinco vôos decolaram no Aeroporto de Congonhas até meio-dia.