O governo brasileiro criticou ontem as propostas dos Estados Unidos para controlar o efeito estufa e questionou a autoproclamada liderança dos americanos na questão climática. ?Você ganha a liderança com ações?, disse Everton Vargas, subsecretário-geral de política do Itamaraty. Em discurso, em Washington, o presidente George W. Bush afirmou que os americanos precisam ?liderar o mundo na produção de menos gases que provocam o efeito estufa?.

Vargas afirmou que o encontro de dois dias, promovido pela Casa Branca, não trouxe nenhuma novidade. ?Os americanos não trouxeram nenhuma idéia nova, só reiteraram suas posições?, disse Vargas. ?Ainda precisamos trabalhar mais com os Estados Unidos para ver se conseguimos persuadi-los a jogar pelas regras de um sistema multilateral – eles ainda rejeitam qualquer compromisso obrigatório e nós ainda esperamos um comprometimento deles com redução de emissões.? Os Estados Unidos abandonaram o Protocolo de Kyoto, acordo mundial que visa a cortar as emissões.

Bush defendeu metas voluntárias e investimento em tecnologias novas e limpas, que substituiriam as atuais baseadas em combustíveis fósseis. ?Nós identificamos um problema. Vamos resolvê-lo?, disse. O presidente americano também propôs um fundo internacional de energia limpa e a suspensão de barreiras tarifárias e não-tarifárias ao comércio de bens energéticos e serviços. Nem Bush nem Condolleezza Rice, a secretária de Estado dos EUA, mencionaram a retirada da tarifa de importação sobre o etanol brasileiro, apontou Vargas.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo