O Brasil deverá se transformar nos próximos dez anos em um dos principais atores do mercado petrolífero mundial, hoje em franca expansão.

A avaliação foi feita nesta sexta-feira (30) pelo secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia, José Lima de Andrade Neto, ao participar da 18a edição do Café Energia, evento promovido pela Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP).

Andrade Neto destacou o crescimento no número de reservas petrolíferas do país, principalmente do ano passado pra cá, com as descobertas da Petrobras na camada do pré-sal.

Para ele, no entanto, embora venha registrando crescimento no mercado petrolífero como um todo hoje o país já possui a 4a maior reserva provada de petróleo do mundo entre as empresas com ações em bolsa o país terá que equacionar o problema da deficiência hoje existente de mão-de-obra especializada para o setor.

Nós dispomos de recursos e as reservas são crescentes, mas para nos tornarmos ainda maiores precisaremos de mão-de-obra especializada, afirmou.

O secretário disse, ainda, que é louvável a intenção do país de dar atenção especial ao biodiesel, uma preocupação não apenas do Brasil, mas do mundo de uma maneira geral, mas sem descuidar do setor petrolífero cujo insumo hoje encontra-se em alta no mercado internacional.