Genebra (AE) – A Organização das Nações Unidas (ONU) prevê um crescimento de apenas 3% para o Brasil em 2006, a menor expansão entre as principais economias emergentes do mundo. A estimativa faz parte do relatório lançado ontem pelas Nações Unidas e que aponta que a economia global terá um crescimento neste ano de 3,3%, mesmo padrão de 2005, mas abaixo dos 4% de 2004. A inflação no Brasil, porém, ficará abaixo da média latino-americana e deverá chegar a 5%.

Em 2005, a ONU também apontou que o Brasil teve o menor crescimento entre os países emergentes, com 2,5%. Em 2004, a taxa foi bem maior e chegou a 4,9%. Na avaliação dos economistas das Nações Unidas, parte da explicação seria o alto nível das taxas de juros no País. Uma prova disso seria o desempenho da demanda doméstica do Brasil. Segundo a ONU, a América Latina irá experimentar um incremento do consumo interno, ainda que em um ritmo menor que o crescimento do PIB da região. No caso do Brasil, o País não conseguirá seguir a mesma tendência e o pagamento de juros já chegam a 7% do PIB nacional.

Já o controle da inflação no Brasil promete ser mais rígido que nos demais países latino-americanos em 2006. A taxa no País deve ficar em 5%.