O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Mato Grosso do Sul multou ontem os caçadores de onças presos em operação conjunta com a Polícia Federal (PF). Oito dos dez detidos em flagrante na Operação Jaguar foram multados pela prática de caça ilegal de animais silvestres ameaçados de extinção. As penalidades somam R$ 55 mil.

Três presos, incluindo o suposto chefe da quadrilha, Eliseu Augusto Sicoli, que seriam os responsáveis pela organização dos safáris foram multados em R$ 10 mil cada um. Cinco estrangeiros, quatro argentinos e um paraguaio, receberam penalidade de R$ 5 mil cada um.

As multas serão aplicadas aos presos pegos em flagrante na quarta-feira pela manhã em uma fazenda no município de Sinop (MT), acusados de pertencer a uma quadrilha que organizava safáris de caça e matança de onças para estrangeiros no Pantanal de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e sul da Amazônia.

Outras multas e penalidades administrativas poderão ser impostas pelo Ibama à quadrilha no desenrolar das investigações. Novas prisões também poderão ocorrer já que há mais mandados expedidos, dentre eles o do chamado “Tonho da Onça”, que está foragido e é considerado um dos maiores caçadores de felinos do País.