O deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), relator da reforma política, antecipou, aos conselheiros da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a proposta que levará aos líderes partidários como alternativa ao sistema de votação por lista fechada. Caiado vai propor um sistema misto em que 2/3 das vagas do parlamento sejam preenchidas em votação por lista fechada e 1/3 seja preenchida pelo sistema atual, em que o eleitor vota direto no candidato de sua preferência. Pela proposta de Caiado, as convenções partidárias definiriam os candidatos que entrariam em lista fechada e os candidatos que se submeteriam ao voto direto do eleitor.

Caiado propõe também dois tipos de financiamento de campanha. Para os candidatos de lista fechada seria instituído o financiamento público exclusivo, com proibição de contribuições de pessoas físicas ou jurídicas. Este financiamento seria feito com recursos da União, repassados diretamente aos partidos. Já os candidatos individuais teriam um financiamento nos moldes atuais, em que são permitidas as contribuições privadas. Segundo Caiado, a lei fixaria, no entanto, um limite máximo de gastos para cada candidato.

A alternativa elaborada por Caiado é uma tentativa de salvar a reforma política, depois que a maioria dos deputados recusou-se a votar a proposta de lista fechada na semana passada. Caiado disse aos conselheiros da OAB que a lista fechada, mesmo na versão mista, será a saída "para, se não acabar, pelo menos diminuir os escândalos, os mensaleiros, os sanguessugas, e o caixa dois". Caiado segue agora para uma reunião com os líderes partidários, para apresentar essa nova proposta.