Brasília – A Câmara está pronta para realizar na noite de hoje o segundo turno de votação da reforma da Previdência. O governo tentará convencer o PDT a desistir de apresentar no plenário uma proposta de alteração no texto que, se aprovada, fará com que o limite salarial definido para o Judiciário nos estados seja estendido ao Legislativo e ao Executivo. O texto aprovado em primeiro turno prevê um limite distinto para cada poder nos estados – cujo patamar salarial máximo, por analogia com o teto válido para o funcionalismo na esfera federal, é batizado de subteto. O PDT pretende propor a mudança por meio do dispositivo conhecido como destaque, que suprime trechos de propostas. Para derrubá-lo, o governo precisará ter 308 do total de 513 votos de deputados. “Vamos encontrar um caminho para preservar o acordo que fizemos no primeiro turno de votação da Previdência para que nenhum partido apresente destaque”, disse o líder do governo na Câmara, Aldo Rebelo.