Separado do Rio pela Baía de Guanabara, o centro de Niterói amanheceu nesta quinta-feira tomado por destroços do grande tumulto que se formou nesta quarta-feira, 19, à noite, durante a manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus. Principal via da região, a Avenida Amaral Peixoto teve bancos e lojas, além de pontos de ônibus, atacados e destruídos. O ato conseguiu interromper o tráfego na Ponte Rio-Niterói, medida de segurança adotada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Os manifestantes chegaram a 500 metros do acesso principal à ponte.

Para impedir que o grupo se aproximasse da praça do pedágio, o Batalhão de Choque da Polícia Militar (PM) lançou bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral contra manifestantes. Também foram atacados seis médicos de jaleco e jornalistas, que socorriam uma grávida desmaiada na calçada da Avenida Marquês do Paraná. Os médicos, da Universidade Federal Fluminense (UFF), trabalhavam como voluntários para atender feridos na manifestação.

 

A passeata na cidade teve a participação de cerca de dez mil manifestantes. Após o ato, um grupo seguiu em direção à Rio-Niterói. Barricadas de fogo se formaram em trechos movimentados do centro do município. Em meio à nuvem de gás, um estudante de ciências sociais da UFF tentou negociar o fim da protesto com um oficial. A proposta da polícia foi que o grupo liberasse a avenida e seguisse para outro local. A maioria aceitou, mas um grupo pequeno decidiu ficar, alegando ter o direito de protestar. O PM que comandava a operação deu um ultimato, dizendo que eles tinham dois minutos para liberar a via. Em seguida, os policiais lançaram bombas contra o grupo, que gritava: “Sem violência”.

Os manifestantes retornaram à Praça Arariboia, ponto de partida do protesto, em frente à estação das barcas de passageiros entre Niterói e Rio. Alguns tentaram incendiar um ônibus e invadiram a estação. O transporte marítimo pela baía ficou interrompido por 30 minutos, até as 21h30. Na rodoviária, um jornalista da Agência Brasil foi espancado por seguranças da concessionária privada. Para evitar a aproximação de manifestantes, a prefeitura de Niterói foi cercada por policiais, que bloquearam todas os acessos.

Quando um militante anunciou, de cima de um carro de som, que o aumento da tarifa havia sido revogado, a multidão reagiu aos gritos: “Não acabou, nossa luta é todo dia, saúde, educação e moradia”. Na manhã desta quinta-feira, em entrevista à Rede Globo de Televisão, o prefeito Rodrigo Neves (PT), principal alvo de críticas durante o protesto com o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB), creditou os episódios violentos a “um pequeno grupo de vândalos”.