As chuvas causam estragos não só em cidades de Santa Catarina, no Sul do país. Moradores de 60 municípios mineiros também têm sofrido com as tempestades desde o dia 11. Desse total, 32 decretaram situação de emergência. Outras 28 cidades comunicaram danos e prejuízos provocados pelas águas. Em Minas Gerais, 1.982 pessoas estão desabrigadas, 8.910 desalojadas e 278 feridas, o que leva a um total de 102.262 pessoas afetadas. Além disso, 67 casas foram completamente destruídas.

Até o momento, dez morreram no estado em decorrência de enchentes e deslizamentos de terra, sendo quatro em Ervália, duas em Betim, uma em Salinas, uma em Itambacuri, uma em Itabira e outra em João Monlevade.

A frente fria que está sobre Minas Gerais, porém, começa a perder força nesta quinta-feira (18), mas ainda provoca chuvas na região leste e na Zona da Mata. Na região metropolitana de Belo Horizonte, o tempo deve ficar nublado com possibilidades de chuviscos na parte da manhã e com previsão de temperatura elevada. A informação foi divulgada no site do governo do estado (www.mg.gov.br).

Segundo o comunicado, a Defesa Civil de Minas Gerais enviou na quarta (17) equipes de apoio às cidades de Guidoval, Piranga, Muriaé, Cataguases, Santana de Cataguases, Astolfo Dutra, Senador Firmino, Carangola, Congonhas, Jeceaba e Itabirito.

O órgão enviou ainda kits com cestas básicas, cobertores, colchões, roupas e lonas para os municípios de Carangola, Jeceaba, Muriaé, Senador Firmino e Ervália.

De acordo com o último boletim divulgado pela Defesa Civil de Minas Gerais, foram registradas inundações e enchentes em Muriaé, em Congonhas, em Carangola e em Senador Firmino. Já em Miraí e em João Monlevade houve deslizamentos de terra e soterramentos.