Após mais de três meses de lançamento, a adesão à Carteira Nacional de Habilitação (CNH) digital é inexpressiva. Apenas 247,6 mil pessoas, ou 0,36% dos motoristas habilitados em todo o Brasil, fizeram a versão digital do documento. O estado que mais emitiu o documento digital foi São Paulo, com quase 50 mil unidades, mas proporcionalmente o estado com maior emissão foi Goiás, com 1,13% dos motoristas com o novo documento.

Burocracia

Um dos motivos para a baixa adesão é que o documento só pode ser emitido à distância se o motorista tiver uma CNH com QR Code e também um certificado digital, que é pago. O custo desse documento costuma ser de R$ 100. Quem ainda tem a versão antiga da habilitação, deve pedir uma segunda via impressa, para ter uma CNH com o QR Code (não é preciso esperar a CNH vencer para solicitar a segunda via do documento). Depois, é preciso fazer um cadastro no site do Detran e ir a uma unidade do departamento de trânsito para confirmar os dados.

As exigências para obter o documento digital também são criticadas por usuários nas plataformas de download. No Google Play (para Android), o app CNH Digital é avaliado com nota 2,7, não muito diferente da 2,3, apontada por usuários do iTunes, loja dos dispositivos da Apple. Até 29 de junho, foram mais de 2 milhões de downloads, número 800% maior que o de usuários que efetivamente fizeram a carteira.

Nas plataformas, é frequente a falta de informação sobre a necessidade de ter um certificado digital ou de comparecer ao Detran. Há, também, relatos de dificuldades para instalar e manipular o aplicativo. “A avaliação do aplicativo pode estar associada à impossibilidade do usuário, que ainda não tem a CNH em papel com QR Code”, justificou o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), responsável pelo aplicativo, por meio de nota. Segundo o Serpro, uma versão 2.0 do CNH Digital será lançada no segundo semestre e vai contemplar também a documentação do veículo.

Facilidades

Esquecer a CNH em casa não é mais uma preocupação para o motorista George Abbas, de 36 anos, do Rio. Ele fez a versão digital do documento há cerca de um mês. “Facilita a vida. Se perder o celular, tenho a de papel. Se perder a de papel, tenho a digital”, diz.

O estudante de Direito Afonso Rennó, de 25 anos, fez a carteira digital um mês após renovar a licença para dirigir. Ele ainda carrega a versão impressa. “Ainda não pediram (a carteira), não sei como vai ser. Levo (a impressa) junto dos documentos do carro.”

Com Estar digital, motoristas serão multados na hora se estacionarem irregularmente