Depois que as novas CNHs (Carteira Nacional de Habilitação) passaram a contar com QR Code ano passado para evitar falsificações, o próximo passo será a mudança completa no formato do documento físico. A partir de 2019 o modelo será no mesmo material que os cartões de crédito, deixando o papel-moeda no passado. Com chip e também WR Code, a ideia é aumentar ainda mais a segurança do documento, já que as informações poderão ser lidas por smartphones dos agentes de trânsito.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

As mudanças já estavam previstas na resolução 718 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito). A nova carteira terá também deve ter validade permanente, sendo necessário apenas que o motorista realize exames médicos periódicos (a cada cinco anos), não sendo mais obrigada a troca da foto e a renovação (troca) do documento, como é hoje.

Após o condutor completar 55 anos, a periodicidade dos exames cai para dois anos e meio e depois dos 70 anos os exames deverão ser anuais. O motorista deverá economizar R$ 53 a cada cinco anos, que é a soma das taxas atuais de emissão e de entrega em domicílio do documento. No cartão poderão ser adicionadas outras informações relevantes, como o tipo sanguíneo do motorista, por exemplo.

De acordo com um cronograma do Contran, as novas carteiras emitidas a partir de janeiro poderão vir no novo formato. No entanto, o prazo para início da implementação pode atrasar.

Depois da chuva, o frio. Temperaturas despencam em Curitiba e região no fim de semana